BRASIL, Nordeste, JOAO PESSOA, Mulher, de 26 a 35 anos, Livros, Arte e cultura
Outro -

 

    UOL - O melhor conteúdo
  BOL - E-mail grátis
  P de Pedro


 

 
 

   

   


 
 
Escafandro



Que onda!

Resultado do teste 'Qual o seu distúrbio psiquiátrico', que fiz no Facebook. Estão tá!
Histeria

O mundo é um verdadeiro palco de teatro, e você a atriz (ator) principal. Seus sentimentos vivem à flor da pele e qualquer manifestação vinda de você pode tomar dimensões estratosféricas. Tem tendência a se vestir de forma provocante e sexo é algo que nunca sai da sua mente. Tem uma dependência muito grande do ser amado e qualquer desintendimento para você é encarado como o fim do mundo. Você é a personificação da música "Exagerado" do Cazuza.



Escrito por Angélica Lúcio às 02h01
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Contradições de uma pequena dama

Tento não ser romântica
e ainda assim quebro a cara.
Finjo ser "Independente Futebol Clube",
mas quero mesmo é ser colocada no colo.
Faço pose de "toda toda" no trabalho
- para engolir sapos e aguentar o tranco -
e desejo loucamente que resolvam a vida por mim.
Pensam-me mulher de cabeça super bem resolvida,
mas, sob a couraça de ferro, 
há apenas uma menina completamente perdida.
Acho que vou procurar um médico,
tomar remédio controlado,
jogar na Megasena e fugir do mundo.
Ou me encontrar nele.



Escrito por Angélica Lúcio às 09h46
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Música para pensar

Trocando em miúdos
Francis Hime - Chico Buarque/1978

 
Eu vou lhe deixar a medida do Bonfim
Não me valeu
Mas fico com o disco do Pixinguinha, sim ?
O resto é seu
Trocando em miúdos, pode guardar
As sobras de tudo que chamam lar
As sombras de tudo que fomos nós
As marcas de amor nos nossos lençóis
As nossas melhores lembranças

Aquela esperança de tudo se ajeitar
Pode esquecer
Aquela aliança, você pode empenhar
Ou derreter
Mas devo dizer que não vou lhe dar
O enorme prazer de me ver chorar
Nem vou lhe cobrar pelo seu estrago
Meu peito tão dilacerado

Aliás
Aceite uma ajuda do seu futuro amor
Pro aluguel
Devolva o Neruda que você me tomou
E nunca leu
Eu bato o portão sem fazer alarde
Eu levo a carteira de identidade
Uma saideira, muita saudade
E a leve impressão de que já vou tarde



Escrito por Angélica Lúcio às 15h00
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]





[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]